quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Extermínio de crianças e adolescentes

No dia 26 de Julho de 1990, onze pessoas, sendo três meninas e oito rapazes, em sua maioria, moradores da favela de Acari, ou de suas proximidades, foram levadas à força por homens que se diziam policiais, do sítio em que se encontravam em Magé, região metropolitana do Rio de Janeiro. Eles ou seus corpos jamais foram encontrados.
Foi o primeiro grande crime, envolvendo grande número de vítimas de uma só vez, cometido por policiais, em serviço ou não, contra moradores de favelas e periferias pobres, no Rio e no Brasil. Apesar dos numerosos indícios e informações que apontam a participação de policiais militares e civis no sequestro, até hoje o inquérito não foi concluído e ninguém foi denunciado pela Justiça.


O Caso Acari também marcou, portanto, o início da época da impunidade escandalosa em casos de crimes cometidos pelo Estado brasileiro contra seus cidadãos, após o encerramento formal do regime ditatorial iniciado em 1964, e o suposto advento da democracia no país.

As consequências da total falta de investigação e empenho dos poderes do Estado não demoraram a aparecer: em janeiro de 1993, Edméia da Silva Euzébio, uma das mães dos jovens sequestrados mais empenhada na luta por justiça, foi assassinada. Em agosto do mesmo ano, policiais militares que faziam parte do mesmo grupo de extermínio conhecido como "Cavalos Corredores", envolvido no desaparecimento de 1990, cometeram outro crime medonho, matando 21 pessoas na favela de Vigário Geral. Um mês antes, 8 crianças e jovens haviam sido trucidadas em frente à Igreja da Candelária, centro do Rio. A Era das Chacinas havia definitivamente começado no Brasil. O pesadelo continua até hoje, cobrando vidas, aterrorizando populações, destruindo famílias, pisoteando a democracia e os direitos humanos.

Adital

Atenção: Hoje (24 de fevereiro) ás 20h00min horas por skype (adicionar skype: Janete.schubert)vai acontecer uma reunião para preparar uma oficina de debates sobre extermínio no Fórum Mundial Urbano que vai acontecer no Rio de Janeiro de 22 a 27 de março. Já apóiam esta atividade a Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República, o canal Futura, o Centro de Defesa Bertholdo Weber (Rio Grande do Sul e o Movimento Enraizados (Nova Iguaçu, Rio de Janeiro), Campanha Nacional Contra Homicídios de Crianças e Adolescentes (Para ler, ver, ouvir e agir).

Nenhum comentário:

Postar um comentário