terça-feira, 3 de novembro de 2009

As famílias latino-americanas

Crescem na América Latina e Caribe as famílias com pais que não são casados e núcleos com a ausência de pai ou mãe, segundo estudo regional apresentado na sede da CEPAL, em Santiago de Chile.
A pesquisa "Famílias latino-americanas em transformação: desafios e demandas para a ação pública" indica que também são mais freqüentes os domicílios com casais compostos (pessoas separadas que se unem trazendo consigo filhos) e unipessoais (pessoas que vivem sozinhas).
A união consensual (convivência sem casamento formal) é a modalidade de formação familiar que mais cresce. Entre os períodos 1990-1995 e 2000-2005 este tipo de domicílio cresceu de 21,1 a 30,6% na Argentina, 21,1 a 33,3% no Brasil e 21 a 29,4% na Costa Rica. Entretanto, no Chile aumentou de 11,6 a 19,8%, no México de 15,3 a 21,2% e de 34,8 a 47,8% na Venezuela.
O documento indica também que na última década aumentou na maioria dos países da região a proporção de menores de 15 anos que residem em domicílios com a mulher como chefe de família.

Veja o estudo: http://www.eclac.cl/publicaciones/xml/8/37438/sps147-Familias-latinoamericanas.pdf

Nenhum comentário:

Postar um comentário